fbpx

Categoria: Cirurgia Plástica

Realizar intervenções para melhorar a aparência é uma preocupação que acompanha o ser humano desde as primeiras civilizações. Mas a cirurgia plástica, como especialidade independente na medicina, só se definiu na época da Primeira Guerra Mundial (1914-1918): as técnicas foram bastante aprimoradas para recuperar soldados feridos nas batalhas. 

 

No Brasil, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o pioneirismo da área é atribuído ao médico José Rebello Netto: em 1915, ele apresentou à comunidade acadêmica uma tese chamada “Cirurgia Estética”, na qual elencava seus princípios. A partir de então, ele criaria e comandaria a primeira clínica específica em cirurgia plástica no país, na Santa Casa de Misericórdia de São São Paulo. 

 

Se recuarmos um pouco mais no tempo, encontramos também referências a essa especialidade da medicina no século 19. Com a vinda da família real portuguesa para o Brasil, em 1808, o país ganhou as suas primeiras Escolas de Cirurgia, uma na Bahia e outra no Rio de Janeiro. Essas instituições acabariam transformadas, em 1832, em faculdades de medicina. 

 

Quatro anos após a Independência, em 1826, o imperador dom Pedro I determinou que o ensino médico brasileiro fosse desvinculado do português. Isso fortaleceu o meio acadêmico nacional. Pesquisas passaram a ser realizadas, artigos e teses publicados e associações de médicos começaram a ser criadas, como a Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro, de 1829 — atualmente, Academia Nacional de Medicina.

 

De acordo com a historiadora Denise Bernuzzi de Sant’Anna, no livro “História da Beleza no Brasil”, foi o médico Joaquim Januário Carneiro o autor do primeiro trabalho publicado sobre o tema: “Considerações Sobre o Lábio Leporino”, de 1842, abordava a cirurgia reparadora com preocupações sobre o embelezamento corporal. 

 

Mas ainda no século 19, outros médicos também se dedicaram a temas estéticos. Alexandre Mendes Calasa, por exemplo, publicou “Do Princípio Nervoso da Queiloplastia e Genoplastia”, em 1853 — respectivamente sobre intervenções cirúrgicas nos lábios e na face. Em 1860, José Soriano de Souza também escreveu a respeito de cirurgias faciais. E foram muitos os que trataram sobre trabalhos reparadores em vítimas de queimaduras, como Laurindo de Almeida Franco, Antonio Calmon Oliveira Mendes e João Telles de Menezes. 

 

É claro que com todos os avanços técnicos, tecnológicos e científicos, a cirurgia plástica hoje no Brasil é muito mais segura — e com resultados muito mais qualificados. Mas como em toda ciência, cada passo novo é dado a partir de estudos realizados. Ou seja: se hoje os cirurgiões plásticos fazem exímios trabalhos, é graças às experiências e descobertas dos precursores.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Hoje vamos falar da blefaroplastia, um tipo de cirurgia plástica muito comum entre os homens e as mulheres. É realizada em quem reduzir o aspecto caído e envelhecido do olhar. 

 

Uma região pequena, mas com muito a se fazer

A área ao redor dos olhos é composta por músculos, tendões, pele e bolsinhas de gordura. De acordo com as características e necessidades de cada paciente, o médico remove ou reposiciona tais estruturas. Com isso, é possível reduzir problemas como flacidez e rugas, rejuvenescendo o olhar.

 

Além da estética

Mas a blefaroplastia é indicada também para outros fins. Além de ajudar a rejuvenescer o rosto, ela pode melhorar a qualidade de vida de muita gente, principalmente idosos. Com o tempo, a pele e os músculos da pálpebra superior ficam tão flácidos que começam a cobrir os olhos. Corrigir o problema dá mais conforto ao paciente.

 

Como a blefaroplastia é feita

A cirurgia varia muito de acordo com os objetivos de cada paciente, mas o médico pode atuar nas seguintes frentes: reposicionar as bolsas de gordura em torno dos olhos, remover a pele em excesso e corrigir o posicionamento dos músculos das pálpebras.

Todo o procedimento dura cerca de uma hora e o paciente pode voltar para casa no mesmo dia.

E lembre-se: como toda cirurgia plástica, a blefaroplastia deve ser feita apenas por um cirurgião plástico inscrito na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e no Conselho Regional de Medicina da localidade onde atua. 

 

Pós-operatório

É muito importante seguir todas as orientações médicas, já que o sucesso de uma cirurgia também depende do pós-operatório. A região vai ficar arroxeada e inchada nos primeiros dias, sendo indicadas compressas e sessões de drenagem linfática facial

O médico responsável vai ensinar a fazer a higiene correta do local, podendo prescrever medicamentos para aliviar eventuais dores e prevenir infecções. Por conta desse apoio, é essencial ir a todas as consultas de acompanhamento. 

O repouso é breve: em poucos dias o paciente está liberado para retomar suas atividades cotidianas. Mesmo assim, é necessário proteger a região do sol, para evitar o escurecimento da cicatriz. Assim, o uso de óculos escuros é imprescindível. E, falando em cicatriz, ela é bem discreta, já que as incisões são feitas para coincidir com as dobrinhas naturais das pálpebras.

 

Cirugia combinada

Juntamente com a blefaroplastia, é possível combinar outros procedimentos no rosto, como lifting e rinoplastia. A vantagem é aproveitar toda a estrutura da cirurgia para atingir mais de um objetivo ao mesmo tempo. Nesse caso, a duração do procedimento é maior e o tempo de internação pode se estender também. 

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Anestesia local ou geral? Como se escolhe? Essas são umas das dúvidas mais comuns quando um paciente nos procura para realizar uma cirurgia plástica. E você sabe a resposta? Veja com a gente!

 

Anestesia local

Geralmente utilizada em cirurgias menores e que envolvam uma área menor do corpo. Para dar mais conforto durante o procedimento, o médico pode prescrever um sedativo, que irá acalmar o paciente

Quando associada a procedimentos simples – como remoção de cistos ou pequenas lesões na pele – sua administração pode ser feita pelo próprio médico que realizará todo o procedimento, dispensando a presença do anestesista.

Cirurgias um pouco maiores podem demandar sedação. Nesse caso, o anestesista é necessário para monitorar os sinais vitais do paciente.

 

Anestesia regional

As duas principais são as famosas raquidiana e peridural. Normalmente, associa-se a sedação para que o paciente não fique consciente o tempo todo e o médico bloqueia os receptores de dor de um ou mais nervos específicos. Dependendo da anestesia indicada, os movimentos da região também ficam temporariamente paralisados, dando mais conforto ao paciente e segurança a todo o procedimento.

O anestesiologista acompanha os sinais vitais do paciente do começo ao fim, informando ao cirurgião dados como pressão arterial, oxigenação do sangue e ventilação.

 

Anestesia geral

Nela, o paciente fica completamente imóvel e inconsciente. É indicada em cirurgias mais complexas ou mais extensas.

O anestesista também é fundamental nesses tipos de cirurgia para monitorar o estado geral do paciente. E, ao fim, é ele quem conduz o despertar do paciente e avalia o início de sua recuperação.

Muitos pacientes têm receio de se submeter à anestesia geral e por isso esse assunto deve ser tratado com seriedade. Quando planejada e administrada por médicos capacitados, ela não é mais “perigosa” que outros tipos de anestesias. Esse é mais um motivo para sempre ter uma relação de confiança e transparência com o seu médico: é muito importante se sentir confortável para tirar todas as dúvidas e falar sem vergonha sobre medos e preocupações.

E lembre-se: a anestesia geral é mais complexa, mas não pode ser vista como mais perigosa. Imagine uma viagem do Brasil à Europa. Pode ser feita com um barco a remo, que é mais simples. No entanto, num navio é mais segura. Aumentamos a complexidade para aumentar a segurança.

 

Quem decide são os médicos. No plural. 

Todo tipo de cirurgia envolve uma equipe diversificada de profissionais, como o cirurgião principal, outros médicos e enfermeiros. O anestesiologista é um desses médicos e é ele o responsável por, junto ao cirurgião plástico, decidir qual tipo de anestesia será usado. Eles levam em consideração o histórico de saúde do paciente e o tipo de procedimento.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

A cirurgia plástica tem um papel ainda mais especial quando restaura a autoestima de vítimas de queimaduras, ferimentos, acidentes e doenças congênitas. Essa área da medicina surgiu justamente para melhorar a qualidade de vida dessas pessoas. 

 

Quando a cirurgia pode ser feita?

É comum que o paciente precise de uma série de intervenções cirúrgicas. 

As primeiras intervenções ocorrem ainda para ajudar na cicatrização. Nelas, o médico remove a área afetada e cobre a pele. Com isso, se protege a área e inicia o processo de recuperação. 

Com o passar de tempo, o médico avalia a evolução da cicatriz e faz novas cirurgias para melhorar o aspecto da região de acordo com a resposta do corpo do paciente. 

 

Enxertos e retalhos

Dependendo o caso, o médico pode contar com enxertos ou retalhos. No primeiro caso, ele usa porções da pele do próprio paciente  para cobrir a área afetada, geralmente da região da coxa ou até mesmo do couro cabeludo. No segundo, mais complexo, ele transfere pele e tecido irrigado por artérias. 

 

Equipe multidisciplinar

Dependendo da gravidade do caso, pessoas de várias áreas trabalham em conjunto para a recuperação do paciente. É possível contar com fisioterapeutas para devolver a mobilidade, psicólogos e assistentes sociais para reinserir a pessoa em suas atividades habituais e muitos outros profissionais da saúde.

 

Malha de compressão

O uso de uma malha especial de compressão ajuda e muito no processo de cicatrização. Com ela, a pele nova que está se formando se mantém corretamente posicionada e comprimida. Isso faz com que toda a região tenha um aspecto final mais uniforme. 

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Hoje vamos falar sobre um assunto um pouco diferente mas muito procurado nos consultórios médicos: a cirurgia íntima. Como o corpo de cada mulher é único, sua vagina também é: algumas têm os pequenos lábios maiores, em outras eles são flácidos e há aquelas cuja queixa maior é o volume excessivo do monte de vênus. Para quem se incomoda com isso, é possível contar com a ninfoplastia.

 

1. Como a cirurgia íntima é feita?

Em pequenos lábios hipertrofiados, o médico faz um pequeno corte em cada um, reduzindo o tamanho. Para casos de flacidez, é feito um enxerto de gordura da própria paciente. O volume excessivo do monte de vênus é atenuado com uma pequena lipoaspiração no local.

 

2. Qual o tipo de anestesia?

A anestesia é local e os pontos são absorvidos pelo organismo em duas ou três semanas.

 

3. A sensibilidade da região muda?

Não. Depois do período de recuperação, a sensibilidade dos pequenos lábios volta ao normal e a paciente pode retomar todas as suas atividades.

 

4. A cirurgia íntima é só para fins estéticos?

Não. Ela também é indicada para quem tem incômodo real no dia a dia, seja na hora de vestir calças apertadas ou mesmo um desconforto nas relações sexuais. A cirurgia melhora significativamente a qualidade de vida dessas mulheres.

 

5. Mulheres a partir de que idade podem fazer a ninfoplastia?

Geralmente se recomenda esperar até os 18 anos de idade. Antes disso, o corpo ainda está se formando e o aspecto da vagina pode mudar. A decisão pela cirurgia deve ser tomada em conjunto com a paciente, seu ginecologista e o cirurgião plástico. 

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

×
Olá!
Como podemos te ajudar?
Por favor, digite seu nome.