fbpx

Tag: "recuperação"

Na semana passada, comentamos sobre como a flacidez aparece no corpo. É um processo natural, mas que pode ser atenuado com ajuda da medicina e da tecnologia. 

Confira com a gente os tratamentos mais procurados no momento para uma pele mais firme, iluminada e rejuvenescida.

 

Venus Legacy 

Uma das formas mais eficientes de combater a flacidez é incentivar o próprio organismo a produzir mais colágeno. E tecnologia e modernidade podem ser aliadas deste processo, com o uso do Venus Legacy. Ele combina radiofrequência e pulsos eletromagnéticos para atingir camadas profundas da pele e estimular a produção de colágeno pelo próprio organismo. Com isso, a pele retoma sua firmeza logo nas primeiras sessões. E a indicação vai além do rosto: o procedimento pode ser realizado no pescoço, no colo e em qualquer região do corpo em que a pele precise de mais firmeza.

 

Coolsculpting também contra a flacidez

Também muito usado para tratar celulite, o Coolsculpting é uma tecnologia que combate a flacidez cristalizando as células de gordura, que são posteriormente eliminadas pelo organismo.

 

Ácido hialurônico

A flacidez também ocorre em áreas do corpo que perdem volume com o passar do tempo, como região dos olhos, lábios e mãos. Um médico pode preencher essas áreas com ácido hialurônico, uma substância naturalmente presente em nosso corpo e que não é rejeitada pelo organismo. Os efeitos são temporários e duram de seis meses a um ano.

 

Lifting facial

Também chamado de ritidoplastia, lifting, em inglês, significa levantar. E é isso que o cirurgião faz: ele levanta os tecidos internos e a pele, reposicionando o rosto. É um procedimento que pode ser usado para vários objetivos ao mesmo tempo: além de combater a flacidez, melhora o contorno facial, atenua rugas e confere um aspecto rejuvenescido ao semblante. 

 

Blefaroplastia

A cirurgia plástica das pálpebras ajuda e muito a melhorar a expressão do rosto, reduzindo o aspecto caído e cansado do olhar. Com o tempo as bolsas de gordura que naturalmente existem ao redor dos olhos se deslocam levemente, o suficiente para envelhecer o visual. Então, o médico as reposiciona e, conforme as necessidades de cada paciente, também retira o excesso de pele e corrige outras estruturas, como músculos, tendões, ligamentos e até mesmo cílios.

 

Cirurgia plástica

Flacidez excessiva – geralmente resultado de grande perda de peso em curto tempo – pode ser solucionada com cirurgia plástica. E não apenas por motivos estéticos: o excesso de pele pode ser um grande desconforto, causando assaduras e machucados. 

As regiões mais comuns para esse tipo de plástica são os braços, coxas, barriga, mamas e papada. O cirurgião vai avaliar a extensão de pele que precisa ser retirada e, dependendo do quadro do paciente, pode ser necessária mais de uma intervenção. 

Escrevemos um artigo bem interessante sobre esse tipo de cirurgia em pessoas que perderam muito peso depois da cirurgia bariátrica. Veja mais aqui. 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Hoje vamos falar da blefaroplastia, um tipo de cirurgia plástica muito comum entre os homens e as mulheres. É realizada em quem reduzir o aspecto caído e envelhecido do olhar. 

 

Uma região pequena, mas com muito a se fazer

A área ao redor dos olhos é composta por músculos, tendões, pele e bolsinhas de gordura. De acordo com as características e necessidades de cada paciente, o médico remove ou reposiciona tais estruturas. Com isso, é possível reduzir problemas como flacidez e rugas, rejuvenescendo o olhar.

 

Além da estética

Mas a blefaroplastia é indicada também para outros fins. Além de ajudar a rejuvenescer o rosto, ela pode melhorar a qualidade de vida de muita gente, principalmente idosos. Com o tempo, a pele e os músculos da pálpebra superior ficam tão flácidos que começam a cobrir os olhos. Corrigir o problema dá mais conforto ao paciente.

 

Como a blefaroplastia é feita

A cirurgia varia muito de acordo com os objetivos de cada paciente, mas o médico pode atuar nas seguintes frentes: reposicionar as bolsas de gordura em torno dos olhos, remover a pele em excesso e corrigir o posicionamento dos músculos das pálpebras.

Todo o procedimento dura cerca de uma hora e o paciente pode voltar para casa no mesmo dia.

E lembre-se: como toda cirurgia plástica, a blefaroplastia deve ser feita apenas por um cirurgião plástico inscrito na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e no Conselho Regional de Medicina da localidade onde atua. 

 

Pós-operatório

É muito importante seguir todas as orientações médicas, já que o sucesso de uma cirurgia também depende do pós-operatório. A região vai ficar arroxeada e inchada nos primeiros dias, sendo indicadas compressas e sessões de drenagem linfática facial

O médico responsável vai ensinar a fazer a higiene correta do local, podendo prescrever medicamentos para aliviar eventuais dores e prevenir infecções. Por conta desse apoio, é essencial ir a todas as consultas de acompanhamento. 

O repouso é breve: em poucos dias o paciente está liberado para retomar suas atividades cotidianas. Mesmo assim, é necessário proteger a região do sol, para evitar o escurecimento da cicatriz. Assim, o uso de óculos escuros é imprescindível. E, falando em cicatriz, ela é bem discreta, já que as incisões são feitas para coincidir com as dobrinhas naturais das pálpebras.

 

Cirugia combinada

Juntamente com a blefaroplastia, é possível combinar outros procedimentos no rosto, como lifting e rinoplastia. A vantagem é aproveitar toda a estrutura da cirurgia para atingir mais de um objetivo ao mesmo tempo. Nesse caso, a duração do procedimento é maior e o tempo de internação pode se estender também. 

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Quem fuma já deve ter se deparado com o alerta do Ministério da Saúde em maços de cigarro: este produto causa envelhecimento precoce de pele. Sim, a pele é um dos tantos órgãos que sofrem danos causados pelo fumo.

Estudos comparativos divulgados pela organização Action On Smoking & Health mostram que quem fuma pode ter, aos 40 anos, tantas rugas quanto um não-fumante de 60 anos. E os malefícios não param por aí.

Manchas, aspecto seco e perda da elasticidade são alguns dos efeitos ruins visíveis na pele de um fumante. Se você fuma e está precisando de um incentivo para abandonar de vez o vício, veja uma listinha para entender o que o cigarro causa em sua pele.

 

Manchas

Princípio ativo do cigarro, a nicotina é uma droga psicoativa de cor amarelada. Com o tempo, ela vai se impregnando na pele. É por isso que fumantes podem apresentar manchas amareladas nas mãos, sobretudo nas pontas dos dedos — na hora em que se está fumando, o calor ajuda a fixar essa coloração na pele.

Como fumar também pode causar má circulação sanguínea, é relativamente comum ainda que fumantes tenham manchas em outras partes do corpo — no caso, uma coloração irregular e desigual da pele.

Quem já apresenta essas manchas e se incomoda com o aspecto que elas causam pode conversar com um médico sobre como atenuá-las. É possível tratá-las com peelings e aplicações de lasers específicos.

 

Aspecto envelhecido

Quem fuma tem a pele mais ressecada. Isto se explica por causa do que se convencionou chamar de estresse oxidativo do cigarro. Trata-se de um processo de inibição da produção de colágeno e de elastina — justamente as proteínas que agem na firmeza e elasticidade da pele. Também há redução das vitaminas A, C e E.

Há ainda um outro problema: a vasoconstrição dos capilares sanguíneos. Com o tempo, o fumante passa a apresentar um estreitamento dos vasos sanguíneos, o que diminui, consequentemente, a quantidade transportada de oxigênio, nutrientes e outras substâncias essenciais para a pele. Estudos mostram que um único cigarro diminui a oxigenação da pele por cerca de uma hora.

E a lista de efeitos nocivos não para por aí: as substâncias tóxicas do cigarro também deixam a pele mais vulnerável a dermatites e psoríase.

Pele que apresenta envelhecimento precoce precisa ser avaliada por um médico dermatologista. Ele é o profissional capacitado a entender o motivo desse envelhecimento e a prescrever tratamentos para atenuá-lo.

 

Códigos de barra

Este é o nome que se dá para aquelas inconfundíveis linhas de expressão que quase todo fumante de longa data tem nas proximidades da boca. Elas se formam pela mesma razão que outras marcas, como as rugas que são adquiridas por quem tem o hábito de franzir muito a testa: são resultado da repetição de um mesmo movimento. No caso, o ato de tragar o cigarro, que mobiliza de forma recorrente o mesmo conjunto de músculos faciais.

O ácido hialurônico ajuda a amenizar as linhas, quando já estão aparentes. Aplicações em pontos estratégicos preenchem os sulcos e ajudam a combater o aspecto envelhecido dos lábios de quem fuma.

 

Mais efeitos no corpo

Na semana que vem vamos falar sobre mais efeitos negativos do cigarro na beleza e como contornar os danos já causados. Fique ligado!

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Anestesia local ou geral? Como se escolhe? Essas são umas das dúvidas mais comuns quando um paciente nos procura para realizar uma cirurgia plástica. E você sabe a resposta? Veja com a gente!

 

Anestesia local

Geralmente utilizada em cirurgias menores e que envolvam uma área menor do corpo. Para dar mais conforto durante o procedimento, o médico pode prescrever um sedativo, que irá acalmar o paciente

Quando associada a procedimentos simples – como remoção de cistos ou pequenas lesões na pele – sua administração pode ser feita pelo próprio médico que realizará todo o procedimento, dispensando a presença do anestesista.

Cirurgias um pouco maiores podem demandar sedação. Nesse caso, o anestesista é necessário para monitorar os sinais vitais do paciente.

 

Anestesia regional

As duas principais são as famosas raquidiana e peridural. Normalmente, associa-se a sedação para que o paciente não fique consciente o tempo todo e o médico bloqueia os receptores de dor de um ou mais nervos específicos. Dependendo da anestesia indicada, os movimentos da região também ficam temporariamente paralisados, dando mais conforto ao paciente e segurança a todo o procedimento.

O anestesiologista acompanha os sinais vitais do paciente do começo ao fim, informando ao cirurgião dados como pressão arterial, oxigenação do sangue e ventilação.

 

Anestesia geral

Nela, o paciente fica completamente imóvel e inconsciente. É indicada em cirurgias mais complexas ou mais extensas.

O anestesista também é fundamental nesses tipos de cirurgia para monitorar o estado geral do paciente. E, ao fim, é ele quem conduz o despertar do paciente e avalia o início de sua recuperação.

Muitos pacientes têm receio de se submeter à anestesia geral e por isso esse assunto deve ser tratado com seriedade. Quando planejada e administrada por médicos capacitados, ela não é mais “perigosa” que outros tipos de anestesias. Esse é mais um motivo para sempre ter uma relação de confiança e transparência com o seu médico: é muito importante se sentir confortável para tirar todas as dúvidas e falar sem vergonha sobre medos e preocupações.

E lembre-se: a anestesia geral é mais complexa, mas não pode ser vista como mais perigosa. Imagine uma viagem do Brasil à Europa. Pode ser feita com um barco a remo, que é mais simples. No entanto, num navio é mais segura. Aumentamos a complexidade para aumentar a segurança.

 

Quem decide são os médicos. No plural. 

Todo tipo de cirurgia envolve uma equipe diversificada de profissionais, como o cirurgião principal, outros médicos e enfermeiros. O anestesiologista é um desses médicos e é ele o responsável por, junto ao cirurgião plástico, decidir qual tipo de anestesia será usado. Eles levam em consideração o histórico de saúde do paciente e o tipo de procedimento.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Hoje vamos falar sobre um assunto um pouco diferente mas muito procurado nos consultórios médicos: a cirurgia íntima. Como o corpo de cada mulher é único, sua vagina também é: algumas têm os pequenos lábios maiores, em outras eles são flácidos e há aquelas cuja queixa maior é o volume excessivo do monte de vênus. Para quem se incomoda com isso, é possível contar com a ninfoplastia.

 

1. Como a cirurgia íntima é feita?

Em pequenos lábios hipertrofiados, o médico faz um pequeno corte em cada um, reduzindo o tamanho. Para casos de flacidez, é feito um enxerto de gordura da própria paciente. O volume excessivo do monte de vênus é atenuado com uma pequena lipoaspiração no local.

 

2. Qual o tipo de anestesia?

A anestesia é local e os pontos são absorvidos pelo organismo em duas ou três semanas.

 

3. A sensibilidade da região muda?

Não. Depois do período de recuperação, a sensibilidade dos pequenos lábios volta ao normal e a paciente pode retomar todas as suas atividades.

 

4. A cirurgia íntima é só para fins estéticos?

Não. Ela também é indicada para quem tem incômodo real no dia a dia, seja na hora de vestir calças apertadas ou mesmo um desconforto nas relações sexuais. A cirurgia melhora significativamente a qualidade de vida dessas mulheres.

 

5. Mulheres a partir de que idade podem fazer a ninfoplastia?

Geralmente se recomenda esperar até os 18 anos de idade. Antes disso, o corpo ainda está se formando e o aspecto da vagina pode mudar. A decisão pela cirurgia deve ser tomada em conjunto com a paciente, seu ginecologista e o cirurgião plástico. 

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

×
Olá!
Como podemos te ajudar?
Por favor, digite seu nome.