fbpx

Tag: "estética"

Verrugas aparecem no corpo de várias formas e em vários lugares. Mas você sabe por que elas surgem? Confira aqui!

 

O que são verrugas?

Verrugas são pequenas saliências, geralmente causadas pelo vírus do papiloma humano, o HPV. Ele se instala em uma lesão na camada superior da pele, causando o crescimento acelerado e irregular das células cutâneas. É por isso que elas têm aquele aspecto áspero característico.

 

Verrugas são transmissíveis?

Sim. Elas são transmitidas pelo contato direto, ou seja, quando uma pessoa encosta na verruga da outra. O local do contato deve estar machucado, mas o vírus pode se instalar até mesmo em micro lesões, difíceis de serem identificadas a olho nu.

A transmissão também pode ocorrer durante relações sexuais desprotegidas.

 

É grave?

Há mais de 100 tipos de vírus que causam verrugas. Muitos deles não prejudicam o organismo e dispensam maiores cuidados. É preciso atenção, no entanto, aos grupos que estão associados ao surgimento de câncer de faringe, do colo do útero, do pênis e do ânus.

Quando o paciente perceber uma verruga em seu corpo, ele deve procurar um dermatologista assim que possível. Só um médico pode dizer se a verruga é inofensiva ou se alguma intervenção será necessária.

E atenção: não manipule a verruga e não tente removê-la em casa sem orientação médica. E passe longe de simpatias e receitas caseiras. Você pode se machucar, contaminar outras partes do corpo e até mesmo permitir que doenças mais graves se desenvolvam.

 

Como tratar?

A maior parte das verrugas não exige cuidado médico urgente mas, mesmo assim, devem ser removidas e o procedimento é geralmente feito no próprio consultório.

Atualmente dispomos de várias técnicas para remover verrugas, que são escolhidas de acordo com a lesão. É possível retirá-las com ácidos, cauterização, laser ou congelando-as com nitrogênio líquido.

 

É possível prevenir o aparecimento de verrugas?

Em alguns casos, sim. Proteja cortes e cuide para ter sempre uma pele saudável e hidratada. Isso reduz o risco de lesões, que são a porta de entrada para os vírus que causam as verrugas. Pequenos cortes ao se barbear, raspar pelos do corpo ou tirar as cutículas também facilitam seu aparecimento. Lave as mãos com frequência e não toque nas verrugas que já apareceram.

Quanto às verrugas na região genital, a única prevenção é o uso de preservativo. Exames ginecológicos de rotina ajudam a detectá-las, mesmo quando muito pequenas e de difícil visualização pela própria paciente.

Na dúvida, procure sempre um médico. Recomenda-se fazer uma consulta com dermatologista uma vez por ano. Nela, o profissional vai analisar com cuidado todo o corpo do paciente, à procura de lesões.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

VEJA MAIS POSTS SOBRE

As pessoas que não têm histórico de doenças ou que não apresentem uma queixa específica devem ir ao dermatologista uma vez por ano. Quem já teve câncer de pele ou outras condições graves precisam ir ao médico com uma frequência ainda maior.

Mas, afinal, por que é tão importante ir ao dermatologista regularmente?

 

A pele é o maior órgão do corpo humano e merece cuidado

Partes específicas de nosso corpo devem ser cuidadas por médicos com especialidades também específicas. Ginecologista, cardiologista, oftalmologista e muitos outros “istas” são essenciais para a manutenção de nossa saúde. E o dermatologista é o profissional que se dedica ao maior órgão do nosso corpo: a pele. Ele avalia a presença de lesões diversas, como verrugas, infecções, pintas, acne, manchas e cânceres de pele.

 

O câncer de pele é o câncer mais frequente no Brasil

O câncer de pele “não-melanoma” é o tipo de tumor maligno mais frequente do país – correspondendo a cerca de 30% de todos os casos de câncer registrados anualmente no País. Sua detecção precoce aumenta o sucesso do tratamento. 

Menos frequentes, porém muito mais graves, são os cânceres de pele do tipo melanoma. O melanoma é um tumor que, se diagnosticado tardiamente, pode provocar metástases – ou a disseminação das células malignas para outras partes do corpo – e até a morte.

Estando ou não no perfil de pessoas com fatores de risco, é importante que a pele seja cuidadosamente examinada por um dermatologista. Só ele é treinado para detectar lesões e orientar o paciente sobre prevenção e tratamento.

 

Como é a consulta e quem deve ir a um dermatologista?

O médico começa conversando com o paciente. Ele se informa sobre seu histórico de saúde e pergunta sobre doenças específicas em familiares próximos, como câncer de pele. Caso o paciente tenha uma queixa específica, como acne, queda de cabelo ou lesões em geral, o profissional faz perguntas adicionais, como quando o problema começou.

Depois, o dermatologista passa para o exame visual, à procura de lesões na pele, mesmo se o paciente não tenha se queixado de nenhuma. Muitas passam despercebidas pela pessoa, já que podem ser muito pequenas ou estarem em locais difíceis de ser bem visualizadas, como costas, sola dos pés e couro cabeludo. Geralmente se usa um aparelho chamado dermatoscópio, que aumenta a imagem vista pelo médico, possibilitando analisar lesões com riqueza de detalhes – proporcionando um panorama mais preciso. Assim, o dermatologista pode fechar seu diagnóstico ou solicitar exames adicionais, como biópsia, raspagem ou testes de alergia.

Por fim, o médico explica ao paciente o que foi constatado, prescreve medicamentos – se necessários – e orienta sobre cuidados que devem ser tomados. Essa é a melhor oportunidade para o paciente tirar todas as dúvidas e fortalecer sua relação de confiança com o profissional.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

As temidas olheiras dão uma aparência cansada ao rosto – e sabemos que tem dias em que não há corretivo que disfarce! Elas podem surgir por diversos fatores e é importante entender cada tipo de olheira, para que o tratamento seja feito de forma correta.

As bolsinhas de gordura

Com o tempo, nosso rosto muda de forma e é natural que as bolsas de gordura que sustentam nossos globos oculares se desloquem para baixo. Aliado a isso, a movimentação constante das pálpebras favorece o aparecimento de rugas na região, criando o aspecto cansado e envelhecido. Entenda mais sobre volumetria facial com a gente

Para atenuar o problema, antes de tudo é preciso avaliar o grau de comprometimento da região. Rugas leves e linhas de expressão podem ser tratadas com peelings, lasers e outros procedimentos pouco invasivos. Casos mais avançados, com bolsas maiores, mostram resultados melhores com intervenção cirúrgica. Trata-se de uma cirurgia plástica de baixa complexidade mas que pode melhorar muito o aspecto do paciente.

 

Pigmentação em excesso

Também existem as olheiras causadas por pigmentação anormal da área ao redor dos olhos. As que tendem para a cor marrom ocorrem por uma maior concentração de melanina na pele e podem ocorrer por excesso de sol ou por predisposição genética. As azuladas ou arroxeadas são, na verdade, vasinhos sanguíneos que, por algum motivo – como alergias e noites mal dormidas –, se tornaram mais aparentes. Como a pele na região é muito fina, eles acabam se destacando.

Um médico dermatologista pode prescrever cremes clareadores, agentes que melhorem a circulação ou tratamentos a laser que atenuem a pigmentação. Fuja de receitas caseiras: a pele ao redor dos olhos é muito fina e sensível. O uso de substâncias sem acompanhamento médico pode agravar o problema ou até mesmo lesionar a pele e os olhos.

 

Olheiras fundas

As olheiras fundas, por sua vez, aparecem em pessoas que têm menos gordura na região. Isso geralmente ocorre por fator genético ou emagrecimento em excesso.

O tratamento mais difundido é o preenchimento do local com ácido hialurônico. Por ser uma substância naturalmente presente em nosso organismo, não acarreta rejeição. Saiba mais sobre ele aqui. Mas é importante realizar o procedimento com um médico habilitado e experiente para que a aplicação seja feita de forma harmônica e com aspecto natural.

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

A psoríase é uma doença de pele crônica, que pode provocar lesões de pele variadas – as mais conhecidas são lesões avermelhadas e descamativas, em placas. Os locais mais comumente acometidos são o couro cabeludo e regiões próximas às articulações, como cotovelos, mãos, joelhos e pés.

 

Diagnóstico

Só um médico pode dizer se você tem psoríase. Caso sua pele apresente lesões, procure um dermatologista de confiança. Casos menos graves podem ter evolução lenta, enquanto algumas pessoas podem apresentar alterações severas e repentinas da pele. Além disso, a psoríase pode estar associada ao acometimento das articulações (artrite psoriásica) e à síndrome metabólica, ou seja, um conjunto de outras doenças que podem acometer o organismo como um todo.

 

Como eu pego psoríase?

Psoríase não se pega, ou seja, não é contagiosa! É uma doença crônica de causa ainda não determinada, que parece ter participação genética e também ambiental, ou seja: a chance é maior em quem tem familiares com a doença, mas o estilo de vida pode contribuir para o desencadeamento ou agravamento do quadro.

 

Então como prevenir novas lesões?

Quem tem predisposição para psoríase deve ficar de olho em situações que podem desencadear ou agravar o problema. Infecções de garganta ou de pele, queimaduras, abuso de álcool, tabagismo, obesidade, estresse e uso de alguns medicamentos precipitam o surgimento das lesões.

 

Como é o tratamento?

Na primeira consulta, o médico vai avaliar a gravidade, a frequência das lesões e o histórico do paciente. Esse é um momento muito importante para tirar dúvidas e não ter vergonha de perguntar o que for preciso. Além da análise visual, em alguns casos pode ser necessária em uma biópsia para confirmar o diagnóstico.

O tratamento da psoríase combina medidas para prevenir novas lesões e tratar a pele que já foi afetada. De acordo com a necessidade de cada paciente, o médico pode prescrever tratamentos tópicos, medicamentos de uso oral, fototerapia e aplicações de laser.

 

Psoríase tem cura?

Não, mas pode ser controlada. O tratamento correto busca amenizar os efeitos das lesões existentes e diminuir o aparecimento de novas. E mesmo desaparecendo completamente por um tempo, ela pode voltar a se manifestar. Por isso o acompanhamento médico é importante.

Todo mundo deve se consultar com um dermatologista uma vez por ano, mesmo sem nenhuma queixa aparente. A visita é importante para que o profissional tire dúvidas e examine toda a extensão da pele do paciente, inclusive o couro cabeludo, à procura de lesões e manchas que nem sempre a pessoa consegue identificar sozinha. Quem tem histórico de doenças de pele deve fazer um acompanhamento ainda mais frequente, de acordo com as orientações passadas pelo médico.

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Na semana passada conversamos sobre o que causa o melasma. Hoje vamos falar sobre os principais tratamentos existentes.

Somente o médico dermatologista saberá avaliar o caso concreto e determinar qual ou quais tratamentos são mais indicados para um paciente. As condutas podem variar, mas a orientação de proteção contra luz visível e raios ultraviolenta é constante e precisa ser reforçada durante a terapia.

Hoje em dia, estão disponíveis diversos medicamentos de uso tópico e procedimentos como peelings e aplicações e luzes ou lasers para o clareamento.

Para combater o melasma, não há uma só receita: o médico costuma lançar mão de um conjunto de medidas tanto para clarear a mancha quanto para impedir que ela volte.

 

Fotoproteção contra o melasma

A proteção à exposição solar é condição fundamental para tratar o melasma. Tanto para iniciar o tratamento quanto para, depois, estabilizar e manter os resultados. Aqueles que têm melasma precisam aplicar, nas regiões afetadas, um filtro solar eficiente, físico e químico, com FPS alto.

É importante buscar produtos que tenham proteções tanto contra os raios ultravioleta A (UVA) quanto ultravioleta B (UVB).

 

Cremes

O uso de cremes não é uma unanimidade. Trata-se de um método que não funciona com todos os pacientes. Os produtos à base de hidroquinona, ácido glicólico, ácido retinoico e ácido azelaico podem ajudar na remoção das manchas. Também podem ser indicados ativos como arbutin, ácido kójico, ácido fítico, ácido tranexâmico e ácido dioico.

Os resultados começam a ser visíveis em cerca de 60 dias depois do início do tratamento. Depois desse período, o médico irá orientá-lo como continuar com os cremes, para que a condição seja estabilizada e o pigmento indesejado não retorne.

 

Peelings

Existem muitos tipos diferentes de peelings, sendo que alguns deles conseguem atingir até as camadas mais profundas da pele. Seu dermatologista pode ajudá-lo a escolher o mais adequado para seu caso.

Esse tipo de tratamento pode clarear a pele de forma gradual, com bons resultados para o combate ao melasma. Conheça os tipos de peeling mais populares aqui.

 

Laser e luz pulsada

Há tratamentos feitos com formas de energia luminosa que também clareiam o melasma. Isso pode ser feito com o laser ou com a luz intensa pulsada. É importante tomar cuidado: se tais procedimentos não forem feitos de forma adequada, o efeito pode ser inverso, já que a luz pode gerar mais pigmentação.

Por isso é importante escolher um bom médico dermatologista – um profissional credenciado, atualizado e que inspire confiança.

 

MMP, ou Microinfusão de Medicamentos na Pele

Com pequenas agulhas em um aparelho semelhante a uma máquina de tatuagem, o médico consegue alcançar com precisão a camada da pele afetada pelo melasma e aplicar diretamente o medicamento que irá combatê-lo. Essa técnica é utilizada para potencializar o efeito de diversos outros tratamentos. Conheça mais detalhes aqui.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

VEJA MAIS POSTS SOBRE
×
Olá!
Como podemos te ajudar?
Por favor, digite seu nome.