fbpx

Tag: "cirurgia abdominal"

Realizar intervenções para melhorar a aparência é uma preocupação que acompanha o ser humano desde as primeiras civilizações. Mas a cirurgia plástica, como especialidade independente na medicina, só se definiu na época da Primeira Guerra Mundial (1914-1918): as técnicas foram bastante aprimoradas para recuperar soldados feridos nas batalhas. 

 

No Brasil, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, o pioneirismo da área é atribuído ao médico José Rebello Netto: em 1915, ele apresentou à comunidade acadêmica uma tese chamada “Cirurgia Estética”, na qual elencava seus princípios. A partir de então, ele criaria e comandaria a primeira clínica específica em cirurgia plástica no país, na Santa Casa de Misericórdia de São São Paulo. 

 

Se recuarmos um pouco mais no tempo, encontramos também referências a essa especialidade da medicina no século 19. Com a vinda da família real portuguesa para o Brasil, em 1808, o país ganhou as suas primeiras Escolas de Cirurgia, uma na Bahia e outra no Rio de Janeiro. Essas instituições acabariam transformadas, em 1832, em faculdades de medicina. 

 

Quatro anos após a Independência, em 1826, o imperador dom Pedro I determinou que o ensino médico brasileiro fosse desvinculado do português. Isso fortaleceu o meio acadêmico nacional. Pesquisas passaram a ser realizadas, artigos e teses publicados e associações de médicos começaram a ser criadas, como a Sociedade de Medicina do Rio de Janeiro, de 1829 — atualmente, Academia Nacional de Medicina.

 

De acordo com a historiadora Denise Bernuzzi de Sant’Anna, no livro “História da Beleza no Brasil”, foi o médico Joaquim Januário Carneiro o autor do primeiro trabalho publicado sobre o tema: “Considerações Sobre o Lábio Leporino”, de 1842, abordava a cirurgia reparadora com preocupações sobre o embelezamento corporal. 

 

Mas ainda no século 19, outros médicos também se dedicaram a temas estéticos. Alexandre Mendes Calasa, por exemplo, publicou “Do Princípio Nervoso da Queiloplastia e Genoplastia”, em 1853 — respectivamente sobre intervenções cirúrgicas nos lábios e na face. Em 1860, José Soriano de Souza também escreveu a respeito de cirurgias faciais. E foram muitos os que trataram sobre trabalhos reparadores em vítimas de queimaduras, como Laurindo de Almeida Franco, Antonio Calmon Oliveira Mendes e João Telles de Menezes. 

 

É claro que com todos os avanços técnicos, tecnológicos e científicos, a cirurgia plástica hoje no Brasil é muito mais segura — e com resultados muito mais qualificados. Mas como em toda ciência, cada passo novo é dado a partir de estudos realizados. Ou seja: se hoje os cirurgiões plásticos fazem exímios trabalhos, é graças às experiências e descobertas dos precursores.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Na semana passada, comentamos sobre como a flacidez aparece no corpo. É um processo natural, mas que pode ser atenuado com ajuda da medicina e da tecnologia. 

Confira com a gente os tratamentos mais procurados no momento para uma pele mais firme, iluminada e rejuvenescida.

 

Venus Legacy 

Uma das formas mais eficientes de combater a flacidez é incentivar o próprio organismo a produzir mais colágeno. E tecnologia e modernidade podem ser aliadas deste processo, com o uso do Venus Legacy. Ele combina radiofrequência e pulsos eletromagnéticos para atingir camadas profundas da pele e estimular a produção de colágeno pelo próprio organismo. Com isso, a pele retoma sua firmeza logo nas primeiras sessões. E a indicação vai além do rosto: o procedimento pode ser realizado no pescoço, no colo e em qualquer região do corpo em que a pele precise de mais firmeza.

 

Coolsculpting também contra a flacidez

Também muito usado para tratar celulite, o Coolsculpting é uma tecnologia que combate a flacidez cristalizando as células de gordura, que são posteriormente eliminadas pelo organismo.

 

Ácido hialurônico

A flacidez também ocorre em áreas do corpo que perdem volume com o passar do tempo, como região dos olhos, lábios e mãos. Um médico pode preencher essas áreas com ácido hialurônico, uma substância naturalmente presente em nosso corpo e que não é rejeitada pelo organismo. Os efeitos são temporários e duram de seis meses a um ano.

 

Lifting facial

Também chamado de ritidoplastia, lifting, em inglês, significa levantar. E é isso que o cirurgião faz: ele levanta os tecidos internos e a pele, reposicionando o rosto. É um procedimento que pode ser usado para vários objetivos ao mesmo tempo: além de combater a flacidez, melhora o contorno facial, atenua rugas e confere um aspecto rejuvenescido ao semblante. 

 

Blefaroplastia

A cirurgia plástica das pálpebras ajuda e muito a melhorar a expressão do rosto, reduzindo o aspecto caído e cansado do olhar. Com o tempo as bolsas de gordura que naturalmente existem ao redor dos olhos se deslocam levemente, o suficiente para envelhecer o visual. Então, o médico as reposiciona e, conforme as necessidades de cada paciente, também retira o excesso de pele e corrige outras estruturas, como músculos, tendões, ligamentos e até mesmo cílios.

 

Cirurgia plástica

Flacidez excessiva – geralmente resultado de grande perda de peso em curto tempo – pode ser solucionada com cirurgia plástica. E não apenas por motivos estéticos: o excesso de pele pode ser um grande desconforto, causando assaduras e machucados. 

As regiões mais comuns para esse tipo de plástica são os braços, coxas, barriga, mamas e papada. O cirurgião vai avaliar a extensão de pele que precisa ser retirada e, dependendo do quadro do paciente, pode ser necessária mais de uma intervenção. 

Escrevemos um artigo bem interessante sobre esse tipo de cirurgia em pessoas que perderam muito peso depois da cirurgia bariátrica. Veja mais aqui. 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Há dois tipos de flacidez: a dos músculos e a da pele. É importante entender a diferença pois cada uma é combatida de uma forma diferente. Mas as mulheres são as mais afetadas em ambos os casos: as variações hormonais ao longo da vida contribuem para a perda de colágeno e elastina, dois componentes essenciais para a firmeza dos tecidos. 

Neste especial sobre flacidez, vamos explicar melhor como ela aparece e o que pode ser feito para atenuá-la. E uma boa notícia: há várias frentes de ataque, tanto na prevenção como nos tratamentos profissionais. 

 

Flacidez muscular

Exercício físico é essencial para recuperar o tônus muscular. E não é só para quem quer ficar musculoso: de acordo com a idade e o objetivo do paciente, é possível adaptar a carga para garantir o mínimo de firmeza, melhorando o contorno de regiões críticas, como o músculo do tchauzinho nos braços e as coxas.

 

Flacidez da pele

Não é só o rosto que é afetado pela flacidez. Com o passar do tempo, nosso corpo reduz a produção de colágeno e a pele toda perde sustentação e tônus. Além da face, isso é notado principalmente no pescoço, no colo e nas mãos.

 

Alimentação 

A ingestão adequada de proteínas é outro fator importante: sem elas, o organismo não consegue repor as perdas do dia a dia, contribuindo para a flacidez, tanto dos músculos como da pele. O segredo está em caprichar nas carnes, peixes, ovos e vegetais como soja, castanhas e quinoa. Há outros nutrientes que ajudam no combate à flacidez, como vitamina C, zinco, cobre e selênio. Um nutricionista pode ajudar a elaborar uma rotina de alimentação que compreenda todos os grupos de alimentos necessários para peles e músculos mais firmes. 

 

Hidratação

Água é importante por dentro e por fora! A quantidade ideal varia de acordo com a idade, peso e nível de atividade física, mas dois litros por dia é a recomendação mínima para adultos saudáveis. E, para o lado de fora, cremes hidratantes contribuem para o bom aspecto da pele. Um organismo bem hidratado é mais eficiente em tudo: preserva as articulações, ajuda a transportar os nutrientes para onde eles devem chegar, auxilia na eliminação de toxinas e ainda deixa a pele mais iluminada e vigorosa. 

 

Hábitos saudáveis

E aí vai mais um motivo para abandonar hábitos nocivos ao nosso corpo: tabagismo e exposição desprotegida ao sol, por exemplo, também contribuem para o aparecimento da flacidez. A fumaça do cigarro e o sol afetam a produção de colágeno e de elastina, contribuindo para um aspecto mais envelhecido e caído da pele do rosto, colo e pescoço.

 

Na próxima semana vamos falar sobre os melhores tratamentos para combater a flacidez. Há muitas opções de acordo com o perfil do paciente! Siga a gente para acompanhar todas as novidades!

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Anestesia local ou geral? Como se escolhe? Essas são umas das dúvidas mais comuns quando um paciente nos procura para realizar uma cirurgia plástica. E você sabe a resposta? Veja com a gente!

 

Anestesia local

Geralmente utilizada em cirurgias menores e que envolvam uma área menor do corpo. Para dar mais conforto durante o procedimento, o médico pode prescrever um sedativo, que irá acalmar o paciente

Quando associada a procedimentos simples – como remoção de cistos ou pequenas lesões na pele – sua administração pode ser feita pelo próprio médico que realizará todo o procedimento, dispensando a presença do anestesista.

Cirurgias um pouco maiores podem demandar sedação. Nesse caso, o anestesista é necessário para monitorar os sinais vitais do paciente.

 

Anestesia regional

As duas principais são as famosas raquidiana e peridural. Normalmente, associa-se a sedação para que o paciente não fique consciente o tempo todo e o médico bloqueia os receptores de dor de um ou mais nervos específicos. Dependendo da anestesia indicada, os movimentos da região também ficam temporariamente paralisados, dando mais conforto ao paciente e segurança a todo o procedimento.

O anestesiologista acompanha os sinais vitais do paciente do começo ao fim, informando ao cirurgião dados como pressão arterial, oxigenação do sangue e ventilação.

 

Anestesia geral

Nela, o paciente fica completamente imóvel e inconsciente. É indicada em cirurgias mais complexas ou mais extensas.

O anestesista também é fundamental nesses tipos de cirurgia para monitorar o estado geral do paciente. E, ao fim, é ele quem conduz o despertar do paciente e avalia o início de sua recuperação.

Muitos pacientes têm receio de se submeter à anestesia geral e por isso esse assunto deve ser tratado com seriedade. Quando planejada e administrada por médicos capacitados, ela não é mais “perigosa” que outros tipos de anestesias. Esse é mais um motivo para sempre ter uma relação de confiança e transparência com o seu médico: é muito importante se sentir confortável para tirar todas as dúvidas e falar sem vergonha sobre medos e preocupações.

E lembre-se: a anestesia geral é mais complexa, mas não pode ser vista como mais perigosa. Imagine uma viagem do Brasil à Europa. Pode ser feita com um barco a remo, que é mais simples. No entanto, num navio é mais segura. Aumentamos a complexidade para aumentar a segurança.

 

Quem decide são os médicos. No plural. 

Todo tipo de cirurgia envolve uma equipe diversificada de profissionais, como o cirurgião principal, outros médicos e enfermeiros. O anestesiologista é um desses médicos e é ele o responsável por, junto ao cirurgião plástico, decidir qual tipo de anestesia será usado. Eles levam em consideração o histórico de saúde do paciente e o tipo de procedimento.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Você conhece o Coolsculpting? Já falamos aqui sobre essa nova tecnologia que, usando baixas temperaturas, cristaliza parte das células de gordura para que sejam eliminadas pelo organismo.

É um ótimo aliado na redução de medidas, principalmente aquelas gordurinhas persistentes que não vão embora mesmo com alimentação regrada e exercícios.

Conversamos com a Dra. Roberta Corominas Hsieh, fisioterapeuta da Clínica Maddarena, sobre as dúvidas que ela mais ouve dos pacientes. Entenda como o procedimento funciona e por que ele é um dos mais pedidos na clínica.

 

1. Em quanto tempo começarei a ver os resultados?

De 30 a 90 dias o paciente começa a perceber a redução das suas medidas.

 

2. O tratamento com o Coolsculpting dói?

Não. Alguns pacientes podem sentir um leve desconforto enquanto o aparelho se posiciona na região a ser tratada, mas é tolerável e passa em poucos minutos.

 

3. Quantas sessões são necessárias?

Em uma única sessão, o Coolsculpting costuma reduzir a gordura da região em 27% a 30%. Então, dependendo da necessidade do paciente, uma aplicação basta.

 

4. Quanto tempo dura a sessão?

Depende da área a ser tratada. Geralmente leva de 35 minutos a uma hora e 15 minutos.

 

5. Depois de quanto tempo se pode repetir a aplicação?

Após três meses. Esse é o tempo que o organismo leva para eliminar gordura cristalizada na sessão anterior.

 

Gostou dessa tecnologia? Então entre em contato e agende uma consulta em nossa clínica!

 

(11) 5521-1007
(11) 98107-6471 – WhatsApp

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

×
Olá!
Como podemos te ajudar?
Por favor, digite seu nome.