fbpx

Tag: "cicatriz"

Quando passamos por uma situação estressante, nosso corpo produz cortisol, um hormônio que nos ajuda a ficar em estado de alerta e a produzir reações rápidas em casos de emergência. Isso é bom e importante para a nossa sobrevivência. O problema aparece quando nos submetemos constantemente a momentos de estresse, como excesso de trabalho ou sobrecarga emocional. Quando isso acontece, o organismo produz grande quantidade de cortisol, adrenalina e radicais livres. E os efeitos negativos aparecem por todo o corpo.

 

Estresse na pele

Nossa pele reflete nossos hábitos: se nos alimentamos mal, ingerimos pouca água ou estamos estressados, ela vai dar dicas de que algo não está certo.

Os radicais livres são um dos responsáveis pelo envelhecimento da pele. Em níveis altos, contribuem para o aparecimento de manchas, linhas de expressão e rugas. Esse envelhecimento precoce pode ser combatido de várias formas, como peelings, tratamentos a laser, aplicações de toxina botulínica e preenchimentos com ácido hialurônico.

Já o excesso de cortisol e adrenalina pode aumentar a oleosidade e facilitar o aparecimento da acne. E quem nunca cutucou a pele quando está nervoso? Pois é, esse é o cenário perfeito para o surgimento de lesões, cicatrizes e até mesmo infecções.

 

Sistema imunológico

Falando em infecções, a sobrecarga do organismo em situações de estresse enfraquece o sistema imunológico. Isso facilita o surgimento de doenças como herpes, micoses e psoríase. Caso você vivencie situações que desencadeiam esses problemas com frequência, converse com seu médico. Ele vai lhe orientar sobre como evitar essas doenças ou a, pelo menos, atenuar os efeitos indesejados.

 

Olheiras 

A falta de sono – muitas vezes comum em pessoas sujeitas a estresse elevado – também contribui para o surgimento de olheiras. A região ao redor dos olhos fica arroxeada por conta dos vasinhos que se tornam mais aparentes, dando aquele aspecto típico de quem está cansado e com noites mal dormidas. Nesse caso, um médico dermatologista pode ajudar prescrevendo cremes clareadores que melhorem a circulação da região ou tratamentos a laser.
 

Cabelo 

Excesso de cortisol no organismo também provoca queda do cabelo e inibe o crescimento de novos fios. Nessas situações é importante conversar com um médico: só ele pode avaliar o corpo todo, chegar a um diagnóstico e prescrever o tratamento correto.

 

Outros efeitos do estresse

O estresse desencadeia muitas outras doenças, como hipertensão, alergias e colesterol alto. Por isso, é importante identificar a causa dessa sobrecarga a buscar eliminá-la. Claro que nem sempre é possível, mas é importante, pelo menos, compensar com hábitos saudáveis no tempo livre, como alimentação balanceada e a prática de exercícios físicos.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

A cirurgia plástica tem um papel ainda mais especial quando restaura a autoestima de vítimas de queimaduras, ferimentos, acidentes e doenças congênitas. Essa área da medicina surgiu justamente para melhorar a qualidade de vida dessas pessoas. 

 

Quando a cirurgia pode ser feita?

É comum que o paciente precise de uma série de intervenções cirúrgicas. 

As primeiras intervenções ocorrem ainda para ajudar na cicatrização. Nelas, o médico remove a área afetada e cobre a pele. Com isso, se protege a área e inicia o processo de recuperação. 

Com o passar de tempo, o médico avalia a evolução da cicatriz e faz novas cirurgias para melhorar o aspecto da região de acordo com a resposta do corpo do paciente. 

 

Enxertos e retalhos

Dependendo o caso, o médico pode contar com enxertos ou retalhos. No primeiro caso, ele usa porções da pele do próprio paciente  para cobrir a área afetada, geralmente da região da coxa ou até mesmo do couro cabeludo. No segundo, mais complexo, ele transfere pele e tecido irrigado por artérias. 

 

Equipe multidisciplinar

Dependendo da gravidade do caso, pessoas de várias áreas trabalham em conjunto para a recuperação do paciente. É possível contar com fisioterapeutas para devolver a mobilidade, psicólogos e assistentes sociais para reinserir a pessoa em suas atividades habituais e muitos outros profissionais da saúde.

 

Malha de compressão

O uso de uma malha especial de compressão ajuda e muito no processo de cicatrização. Com ela, a pele nova que está se formando se mantém corretamente posicionada e comprimida. Isso faz com que toda a região tenha um aspecto final mais uniforme. 

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Hoje vamos falar sobre um assunto um pouco diferente mas muito procurado nos consultórios médicos: a cirurgia íntima. Como o corpo de cada mulher é único, sua vagina também é: algumas têm os pequenos lábios maiores, em outras eles são flácidos e há aquelas cuja queixa maior é o volume excessivo do monte de vênus. Para quem se incomoda com isso, é possível contar com a ninfoplastia.

 

1. Como a cirurgia íntima é feita?

Em pequenos lábios hipertrofiados, o médico faz um pequeno corte em cada um, reduzindo o tamanho. Para casos de flacidez, é feito um enxerto de gordura da própria paciente. O volume excessivo do monte de vênus é atenuado com uma pequena lipoaspiração no local.

 

2. Qual o tipo de anestesia?

A anestesia é local e os pontos são absorvidos pelo organismo em duas ou três semanas.

 

3. A sensibilidade da região muda?

Não. Depois do período de recuperação, a sensibilidade dos pequenos lábios volta ao normal e a paciente pode retomar todas as suas atividades.

 

4. A cirurgia íntima é só para fins estéticos?

Não. Ela também é indicada para quem tem incômodo real no dia a dia, seja na hora de vestir calças apertadas ou mesmo um desconforto nas relações sexuais. A cirurgia melhora significativamente a qualidade de vida dessas mulheres.

 

5. Mulheres a partir de que idade podem fazer a ninfoplastia?

Geralmente se recomenda esperar até os 18 anos de idade. Antes disso, o corpo ainda está se formando e o aspecto da vagina pode mudar. A decisão pela cirurgia deve ser tomada em conjunto com a paciente, seu ginecologista e o cirurgião plástico. 

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

A menopausa é uma fase inevitável na vida mulher. Ela chega por volta dos 50 anos e, por ser um momento de intensas alterações hormonais, acaba também afetando a pele. Mas não é preciso espanto nem medo para encarar essa nova etapa da vida. Entenda com a gente o que acontece e o que pode ser feito para continuar linda e com a pele saudável.

 

Problema: Envelhecimento da pele na menopausa

A partir dos 20 anos temos uma diminuição na produção de colágeno da ordem de 1% ao ano. Além disso, com o passar do tempo, o corpo vai perdendo outras substâncias conhecidas por dar viço à pele, como ácido hialurônico e DHEA, o “hormônio juventude”. Tudo isso afeta diretamente a pele, que fica menos elástica e mais sujeita ao aparecimento de rugas e linhas de expressão.

Para as mulheres que por muitos anos se expuseram ao sol sem proteção, também costuma ser maior o aparecimento de manchas, que acabam contribuindo para o aspecto envelhecido da pele.

Como amenizar a situação: a medicina já avançou muito no combate inteligente ao envelhecimento da pele. É possível preencher áreas estratégicas com ácido hialurônico e contar com tratamentos que estimulam a produção de colágeno pelo próprio corpo, como peelings, injeções de ácido polilático e sessões de laser. O uso diário de protetor solar é indispensável e, se ainda não virou hábito, a hora é agora!

 

Problema: Pele ressecada

Com a redução de hormônios como estrogênio e DHEA, a pele produz menos sebo, que é justamente o componente que a mantém hidratada. Assim, ela se torna mais fina, sensível e ressecada.

Em algumas mulheres, essa montanha-russa hormonal pode até desencadear o aparecimento de acne.

Como amenizar a situação: É muito importante conversar com um dermatologista sobre as alterações desse momento sensível. O profissional vai avaliar não só a pele, mas todo o comportamento do corpo durante a menopausa, o estilo de vida da paciente e prescrever os tratamentos adequados. Para peles secas, o médico vai recomendar hidratantes especiais para a necessidade da paciente, além de outros produtos e tratamentos que vão ajudar a restaurar o viço da pele.

 

Problema: Maior risco de lesões

Como a pele fica mais fina e sensível, ela está mais sujeita a lesões e machucados: até mesmo esbarrões em móveis de casa podem levar a hematomas e pequenos cortes.

Como amenizar a situação: Essa nova estrutura da pele não é motivo para alarme, mas é mais um ponto para conversar com um dermatologista. O médico vai orientar o paciente a manter a pele saudável e, caso se machuque, como proceder.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

A cirurgia bariátrica, popularmente conhecida como redução de estômago, é uma intervenção indicada por médicos a muitas pessoas que precisam perder peso. Os resultados costumam ser muito bons e é normal que o paciente queira dar um up maior ainda no visual com uma cirurgia plástica.

 

Voltando à rotina depois de perder muitos quilos

Com a cirurgia bariátrica, o paciente perde dezenas de quilos em questão de meses. O emagrecimento melhora sua qualidade de vida, sua saúde em geral e eleva sua autoestima. Muitas pessoas, por conta do peso excessivo, deixam de praticar atividades físicas e de socialização e esse período pós-operatório é uma ótima fase para a retomada de hábitos prazerosos.

 

O excesso de pele

Mas a perda rápida de peso tem um lado incômodo: a pele, que por muitos anos esteve esticada ao extremo, não consegue se retrair completamente. O resultado fica no aspecto flácido do corpo e no envelhecimento do rosto. Além da questão estética, o excesso de pele pode causar desconfortos e assaduras no paciente. A boa notícia é que é possível resolver o problema com cirurgia plástica.

 

Quando fazer

É preciso que o paciente tenha se recuperado completamente da bariátrica e que seu peso esteja se estabilizado. Isso ocorre geralmente depois de um ou dois anos da cirurgia. Antes de procurar o cirurgião plástico, é necessário conversar com o médico que fez a redução do estômago para avaliar seu estado de saúde e se está apto a um novo procedimento.

 

A cirurgia

O cirurgião remove o excesso de pele nas regiões em que ela ficou mais distendida, como barriga, coxas, braços, mamas e papada. O médico trabalha para que a cicatriz seja a menor possível, mas quando muita pele é retirada, é possível que a marca da incisão seja maior. E, pensando na saúde e no bem-estar do paciente, caso necessite remover a pele de muitas áreas do corpo, pode ser necessário fazer mais de uma cirurgia.

É comum que pacientes que passaram pelos desconfortos da cirurgia bariátrica – e seu pós-operatório delicado – não queiram se submeter a novas intervenções tão cedo. Mas é importante dizer que são tipos bem diferentes de cirurgia e que em pouco tempo o paciente retoma suas atividades rotineiras, desta vez sem o desconforto causado pelo excesso de pele.

Ainda, há outro benefício: os tecidos cutâneos em excesso requisitam funcionamento de vários órgaos internos, como pâncreas, fígado, rins e coração. É um esforço a mais, apenas para manterem-se ali, vivos, sem dar contrapartida nenhuma. Ao remover esses tecidos sem função, diminuímos a sobrecarga para o metabolismo.

 

O pós-operatório

Como sempre frisamos aqui, é importante seguir à risca as orientações médicas para o pós-operatório. O cirurgião vai indicar o uso de cintas ou sutiãs de compressão e sessões de drenagem linfática para aliviar o inchaço da região. A recuperação completa deve ocorrer dentro de poucas semanas.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

 

×
Olá!
Como podemos te ajudar?
Por favor, digite seu nome.