fbpx

Tag: "seios"

Anestesia local ou geral? Como se escolhe? Essas são umas das dúvidas mais comuns quando um paciente nos procura para realizar uma cirurgia plástica. E você sabe a resposta? Veja com a gente!

 

Anestesia local

Geralmente utilizada em cirurgias menores e que envolvam uma área menor do corpo. Para dar mais conforto durante o procedimento, o médico pode prescrever um sedativo, que irá acalmar o paciente

Quando associada a procedimentos simples – como remoção de cistos ou pequenas lesões na pele – sua administração pode ser feita pelo próprio médico que realizará todo o procedimento, dispensando a presença do anestesista.

Cirurgias um pouco maiores podem demandar sedação. Nesse caso, o anestesista é necessário para monitorar os sinais vitais do paciente.

 

Anestesia regional

As duas principais são as famosas raquidiana e peridural. Normalmente, associa-se a sedação para que o paciente não fique consciente o tempo todo e o médico bloqueia os receptores de dor de um ou mais nervos específicos. Dependendo da anestesia indicada, os movimentos da região também ficam temporariamente paralisados, dando mais conforto ao paciente e segurança a todo o procedimento.

O anestesiologista acompanha os sinais vitais do paciente do começo ao fim, informando ao cirurgião dados como pressão arterial, oxigenação do sangue e ventilação.

 

Anestesia geral

Nela, o paciente fica completamente imóvel e inconsciente. É indicada em cirurgias mais complexas ou mais extensas.

O anestesista também é fundamental nesses tipos de cirurgia para monitorar o estado geral do paciente. E, ao fim, é ele quem conduz o despertar do paciente e avalia o início de sua recuperação.

Muitos pacientes têm receio de se submeter à anestesia geral e por isso esse assunto deve ser tratado com seriedade. Quando planejada e administrada por médicos capacitados, ela não é mais “perigosa” que outros tipos de anestesias. Esse é mais um motivo para sempre ter uma relação de confiança e transparência com o seu médico: é muito importante se sentir confortável para tirar todas as dúvidas e falar sem vergonha sobre medos e preocupações.

E lembre-se: a anestesia geral é mais complexa, mas não pode ser vista como mais perigosa. Imagine uma viagem do Brasil à Europa. Pode ser feita com um barco a remo, que é mais simples. No entanto, num navio é mais segura. Aumentamos a complexidade para aumentar a segurança.

 

Quem decide são os médicos. No plural. 

Todo tipo de cirurgia envolve uma equipe diversificada de profissionais, como o cirurgião principal, outros médicos e enfermeiros. O anestesiologista é um desses médicos e é ele o responsável por, junto ao cirurgião plástico, decidir qual tipo de anestesia será usado. Eles levam em consideração o histórico de saúde do paciente e o tipo de procedimento.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Quando o assunto é modelar o corpo e acabar com a gordura localizada, a famosa “lipo” sempre vem à tona. Mas qual a diferença entre lipoaspiração e lipoescultura? Qual solução é indicada para cada caso? Entenda as peculiaridades com a gente!

 

Lipoaspiração

Com uma cânula, o médico aspira a gordura localizada em áreas como abdome, barriga, costas, axilas e culote. Mas atenção: lipoaspiração não é um procedimento para emagrecer! Ela é recomendada para quem está no peso ideal ou muito próximo dele, já que não se recomenda tirar mais de 5% da massa corporal. 

A cicatriz é discreta e em lugares mais escondidos, como dobrinhas da pele e sulcos do corpo. 

O pós-operatório requer o uso de cinta modeladora e sessões periódicas de drenagem linfática. Com o passar dos meses, o paciente desincha e corpo vai tomando seu formato final. É possível que a pele não retraia completamente e o excesso pode ser removido com uma cirurgia plástica complementar. 

 

Lipoescultura

É a junção da lipoaspiração com aplicações de gordura de forma estratégica, para modelar o corpo. O médico pode indicá-la a pacientes que desejam reduzir medidas em uma região e aumentar em outras. Mas, mais do que colocar gordura em outro local, lipoescultura é a maneira como a gordura localizada é retirada. 

Do mesmo modo que um escultor retira os excessos do mármore para mostrar as formas “escondidas” no seu interior, na lipescultura mostra-se a real silhueta encoberta pelas áreas de lipodistrofia, ou gordura localizada. A lipoenxertia – método em que o médico transfere células de gordura para outras regiões – é também utilizada na lipoescultura para complementar e otimizar o resultado. Ou seja, a lipoescultura pode ser feita isoladamente com a lipoaspiração, ou combinada com a lipoenxertia. Uma vez transferidas, nem todas as células sobreviverão no local. Existe uma taxa de reabsorção que pode ser alta, com pouco ou nenhum resultado. Há, no entanto, algumas técnicas que aumentam a taxa de sobrevida das células transferidas, mas não há como garantir a taxa de eficácia. Por outro lado, quando integradas na região, ficarão para sempre.

A técnica também pode ser usada para preencher regiões menores ou que precisam de correções mais delicadas, como rosto, bigode chinês, mãos e ajustes de pequenas simetrias.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Durante a abdominoplastia, o médico reposiciona os músculos do abdome, tira o excesso de pele e, se necessário, combina com uma lipoaspiração da barriga. Todo esse trabalho exige uma recuperação cuidadosa, envolvendo repouso, higienização e, principalmente, o uso correto da cinta modeladora.

E a compressão não é importante só na abdominoplastia: cintas e outros materiais modeladores também são indicados no pós-parto e depois de outras intervenções cirúrgicas, como lipoaspiração nos braços ou colocação de silicone nas mamas.

 

Para que serve?

Feita de um material especial, a cinta modeladora pós-cirúrgica cobre todo o abdome. Isso ajuda a reduzir o acúmulo de líquidos na região, aliviando o inchaço. Ela também protege os pontos, mantém os tecidos no lugar, comprime a região e molda o novo corpo.

O uso correto proporciona mais conforto ao paciente, dando suporte ao corpo durante o repouso ou movimentos.

 

Qual tipo usar?

Quando o cirurgião plástico orientar o paciente sobre os cuidados do pós-operatório, ele vai dizer qual o melhor tipo de cinta modeladora para o seu caso. Há modelos mais curtos e outros tipo macaquinho, que comprimem, além do abdome, as coxas e braços. O importante é seguir a recomendação médica e tirar a cinta só na hora do banho.

 

Quanto mais apertado melhor será o resultado?

Não. Muita gente acha que a cinta modeladora deve apertar o corpo para fazer efeito. Essa ideia é errada e pode machucar o abdome, que já está sensibilizado. A cinta deve fazer uma leve compressão, jamais causando dor ou marcando a pele.

 

Facilitando o uso da cinta modeladora

Principalmente nos primeiros dias, é preciso contar com a ajuda de alguém para colocar a cinta. O paciente deve vesti-la com calma e aos poucos, com muito cuidado para posicionar de forma correta a costura, elásticos e fechos.

Como no início a cinta deve ser usada em tempo integral, é importante ter pelo menos duas unidades, já que, enquanto uma é lavada, a outra é colocada em uso.

É normal que, com o tempo, o corpo do paciente desinche e a cinta precise ser ajustada. Esse passo é importante para manter sua eficácia e o conforto.

 

Por quanto tempo usar?

A cinta modeladora é uma forte aliada na recuperação do paciente. Só o cirurgião responsável pode avaliar seu tempo mínimo de uso. Via de regra, ela deve ser usada por pelo menos um mês. Mas esse prazo varia muito de acordo com o procedimento realizado e o ritmo de recuperação do paciente.

Para uma cirurgia de sucesso, é crucial obedecer a todas as orientações do médico no pós-operatório e informá-lo de qualquer dúvida ou problema.

 

Foto: yogadistribuidora.com.br

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

Cada corpo é único, então é natural que existam vários formatos e tamanhos de implantes de silicone de mama. Fique tranquila pois, com base nas suas expectativas, seu cirurgião plástico irá ajudá-la a decidir pela opção mais harmônica.

Entenda aqui alguns aspectos que são levados em consideração:

 

Tamanho – do implante e da paciente

Algumas pacientes querem apenas “dar um up” nos seios, que ficam flácidos com o passar dos anos. Nesses casos, próteses menores são suficientes, já que o médico também retira eventuais excessos de pele para um resultado mais completo.

Para as que desejam mais volume, o cirurgião precisa avaliar a estrutura corporal antes de definir a dimensão do implante. É comum vermos celebridades dizendo quantos mililitros de silicone utilizaram, mas é importante lembrar que cada organismo é único. Mesmo quando nos inspiramos no corpo de alguém, é preciso entender que os resultados podem variar e que faz parte do trabalho de um bom médico manter seus pacientes informados e ser realista quanto a expectativas. Fatores como altura, tamanho do tórax, espessura da pele e tendência a flacidez e estrias são muito importantes e devem ser avaliados.

 

Formato

Depois de avaliar o biótipo da paciente e suas expectativas com a cirurgia, o médico vai escolher o formato de implante mais adequado para o caso. As opções mais comuns são as em formato de gota ou redondas. Há também tipos usados mais comumente em casos de reconstrução da mama, por exemplo, após um câncer: a paciente pode desejar apenas manter a simetria do corpo, sem mexer no aspecto que tinha antes da doença.

Quanto ao perfil, ele pode ser baixo, moderado ou alto. Há ainda os implantes cônicos, pouco usados. Olhando de lado, observamos o perfil dos implantes e olhando por cima, podem ser redondas ou em gota (ou pera)

 

Local de colocação

Também considerando o corpo de cada paciente, o médico vai decidir como o implante será colocado. É possível fazer incisões na aréola, por baixo da mama ou na axila. Além disso, o silicone pode ser posicionado por baixo ou por cima do músculo peitoral.

 

Mas, afinal, do que os implantes são feitos?

De maneira simplificada, os implantes de silicone para a mama são constituídos por duas partes: a membrana (ou invólucro) e o preenchimento. O silicone interno é um gel de alta coesividade – o que, além de manter a forma, também dificulta o extravasamento.

Já o invólucro é de silicone elastóide. É feito em múltiplas camadas para diminuir a porosidade da membrana e assim aumentar a garantia de que não deixará o silicone gel escapar.

 

Cuidados gerais

Mesmo sendo uma das cirurgias plásticas mais comuns, a colocação de implantes de silicone é coisa séria e deve ser feita por um médico experiente e capacitado. Verifique se ele é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) e se tem cadastro ativo no Conselho Regional de Medicina da região em que atua.

Além disso, é muito importante seguir todas as orientações de seu médico antes e depois da cirurgia. Esses cuidados são essenciais para se chegar ao resultado esperado.

 

Já segue a Clínica Maddarena nas redes sociais?

instagram facebook1

VEJA MAIS POSTS SOBRE

Conforme prometido, hoje daremos dicas sobre o processo de recuperação da Mamoplastia. Nosso objetivo é ajudá-la a se programar com antecedência para esse período fundamental para se atingir um bom resultado final.

A mama se apoia no músculo que movimenta o braço, de forma que os movimentos do membro superior devem ser contidos e deve-se evitar elevar os cotovelos acima dos ombros. Em decorrência disso, recomenda-se que se evite vestir blusas fechadas. Será de extrema importância também alguma ajuda na hora de lavar e pentear os cabelos. É necessário usar um sutiã pós-cirúrgico nas primeiras semanas.

Alguns cuidados gerais, válidos também para outras cirurgias são evitar esforços e exposição a fontes de calor e à luz do sol. O Dr. Vitorio, diretor da Clínica Maddarena, traz conselhos para você que pretende se submeter à plástica mamária: “A alta hospitalar é no dia seguinte à cirurgia, podendo até mesmo ser no mesmo dia. Em casa você já poderá caminhar, evitando apenas esforços maiores. É importante que atividades que envolvam os membros superiores, como dirigir e determinados exercícios só sejam retomados após 2 a 4 semanas, de maneira gradual e sempre seguindo as orientações de seu médico”.

Continue nos seguindo aqui no blog e nas redes sociais, e aproveite para nos enviar dúvidas sobre Mamoplastia ou qualquer um dos outros procedimentos para que possamos respondê-las dentro dos nossos próximos posts.

VEJA MAIS POSTS SOBRE
×
Olá!
Como podemos te ajudar?
Por favor, digite seu nome.